Live: Turismo e Acessibilidade

Dia 1 de maio comemoramos o Dia do Trabalho no Brasil, e foi trabalhando que estreamos em grande estilo a nossa série de Lives. Esse será um espaço para conversarmos sobre os desafios de Turismo e Acessibilidade, bem como debater cenários pós-crise e tantas outras pautas necessárias para construirmos uma sociedade mais adequada e inclusiva. 

As Lives surgiram com força total na quarentena causada pela pandemia do Covid-19. Um dos efeitos dessa onda foi a aproximação das empresas junto aos consumidores. E foi nesse ambiente que lançamos nossa primeira edição, com as convidadas Suelén Almeida, Palestrante e Consultora Inclusiva e Mellina Reis, Turismóloga e Influenciadora Digital. A pauta da conversa foi Turismo, Acessibilidade e como o setor hoteleiro poderia se beneficiar atendendo bem a este mercado. 

Foi uma conversa extremamente valiosa, não só pela participação das especialistas e dos intérpretes de LIBRAS, Bruna Garcia e Ivan Souza, mas principalmente pela grande interação da audiência. Os participantes fizeram muitas perguntas e contribuíram para uma experiência enriquecedora.

Iniciamos a conversa com uma breve apresentação do mercado consumidor da Pessoa com Deficiência no Turismo, destacando números de viajantes, estimativa de consumo de turismo no Brasil, o quanto este mercado movimenta e gera de receita. 

Acessibilidade (s) – experiências e necessidades diferentes

Caminhamos então para exposição das experiências das convidadas, com duas visões distintas sobre necessidade de acessibilidade. A Suelén é cadeirante e a Mellina tem baixa visão – e utiliza sua cão guia Hilary para se locomover. 

A acessibilidade dos destinos deve ser para todos os tipos de deficiência, não apenas para os cadeirantes. 

A Suelén trouxe uma pauta pouco conhecida: cadeirantes não são todos iguais. Cada um possui a sua particularidade, mobilidade e independência. É importante sempre lembrar ressaltar que acessibilidade não é só uma rampa – é uma série de conjuntos de ações arquitetônicas (rampas na inclinação correta, quartos e banheiros com espaços e barras de apoios nos lugares certos). Há legislação e a norma vigente NBR 9050, que informa sobre a padronização dos espaços. 

Trouxemos ao debate reflexões sobre outros tipos de deficiências, como surdos, autistas, com Síndrome de Down. Como bem comentado pela Melina: “o setor hoteleiro, o setor do turismo de modo geral generaliza as pessoas com deficiência, como se fossem apenas físicas, cadeirantes. Já fui em muitos lugares dizendo que tinha acessibilidade e chegando lá, cadê a acessibilidade para deficientes visuais? Como resposta: ‘não tinha pensado nisso…, ou ainda que o deficiente visual não necessita do quarto adaptado.” 

Mellina fez uma ressalva após a Live que o Braille não é de conhecimento de todos que possuem deficiência visual. Muitos dos que perderam a visão na adolescência ou fase adulta, nem sempre aprendem o Braille, pois não é uma metodologia fácil de se aprender. Dessa forma, acabam se utilizando de outras tecnologias que podem atender a todo.

Tecnologia como ferramenta de inclusão

Um bom exemplo para a situação acima é a tecnologia do QR Code. ao posicionar a câmera do celular para um código QR, se é direcionado para uma página que explica o produto ou serviço – como a cor de um batom, um cardápio, um refrigerante, entre tantas outras possibilidades. Neste caso, basta capacitar o funcionário a orientar os clientes sobre o local do QR Code e suas funcionalidades. Este é apenas um dos muitos exemplos de como a tecnologia facilita o dia a dia e a comunicação entre as empresas e o consumidor final (seja Pessoa com Deficiência ou não!). 

Outro método eficiente de identificação para um grande grupo de pessoas com baixa visão é o alto relevo, seja nos botões do elevador, nas portas dos apartamentos ou em outros locais que identifiquem o lugar. 

Mais um ponto debatido foi sobre a barreira atitudinal. Há ainda um grande preconceito das pessoas e empresas em lidar com as Pessoas com Deficiência. Não há reconhecimento sobre o não saber lidar com o diferente e acabam sendo criando barreiras em formas de “normas”, com intenção de proteger as Pessoas com Deficiência, mas na prática excluindo e impossibilitando a usabilidade e integração deste público. 

Pessoas com Deficiência – Consumidores e Cidadãos

A falta de acessibilidade no turismo impede não somente o Consumidor com Deficiência, mas também seus acompanhantes, pois este público costuma ser fiel e indica sempre os estabelecimentos que gosta. O impacto social que se deixa de gerar na empresa é relevante. Segundo a Suelén, se você não atende você está discriminando a pessoa, que é passível de multas, além do desgaste na imagem da empresa. Mellina exemplificou o comum desrespeito à Lei 11.126, que prevê livre acesso a cães guia, usualmente ignorada pelos estabelecimentos.

Levantamos o ponto sobre a necessidade de acessibilidade na infraestrutura nas cidades, que também impacta diretamente no ir e vir e percepção de bem estar da Pessoa com Deficiência. As convidadas discorreram um pouco sobre suas viagem e compartilharam as experiências em algumas cidades do Mercosul, por exemplo Buenos Aires, considerada não tão acessível assim para ambas. 

É inegável a necessidade das empresas do setor turístico hoje, mais do que nunca, estarem presentes na internet, próximos ao seu público, vendendo seus produtos e de forma acessível. Mellina relata que é muito difícil fazer compras pelos sites, principalmente das companhias aéreas e meios de hospedagem, pois são pouco acessíveis para pessoas com deficiência, dificultando a compra.  

Em pouco mais de uma hora, abordamos muitos temas relevantes e tiramos dúvidas dos participantes presentes sobre turismo e acessibilidade. 

Tem alguma sugestão de tema para uma próxima edição? Nos envie uma mensagem! E cadastre-se para ficar por dentro das novidades da Integratur.

Por Gabrielle Jordano, fundadora da Integratur

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × três =