Consumidor com Dediciência

CONVERSA E INTEGRAÇÃO ENTRE OS ECOSSISTEMAS LOCAIS

A busca de toda empresa é aumentar as vendas e ter mais lucros. Isso nós já estamos cansados de saber, não é mesmo? Inclusive a busca por novos mercados, se diferenciar da concorrência, como falamos anteriormente sobre o grande mercado consumidor de pessoas com deficiência. Mas o setor do Turismo, penso que mais que qualquer outro, é um setor extremamente conectado. Mas por algum motivo, ao longo dos anos acabamos nos esquecendo disso e nos isolando em nossos próprios núcleos.

Entretanto, devemos mudar nossas rotas urgentemente ou estamos fadados ao erro e inevitavelmente ao fracasso. Não dá mais para nos isolarmos nas nossas associações e nos esquecermos de criar pontes com outros ramos de atividades que são tão importantes para o sucesso de nossas atividades como prefeituras, por exemplo.

Pois a infraestrutura urbana é tão importante para o sucesso da atividade turística, como por exemplo em que o hotel está localizado, assim como é para a prefeitura. Facilitando assim para que o hotel esteja sempre com grande ocupação, pois gera impostos diretos com o ISS, geração de empregos diretos além dos empregos indiretos.

Mas pense, qual ou quais são os principais ecossistemas da sua localidade para vocês conversarem e entrarem em um ganha-ganha? A região em que o a sua empresa está instalada é de um polo tecnológico, de agricultura, pecuária, industrial, universitário, médico, religioso, turismo de aventura, de praia, entre outros? Hoje, nossa cultura todos estão conectados e como tirar o maior e melhor proveito para que todos da sua região saiam ganhando: você empresários, os hoteleiros, os polos, a prefeitura, Estado e Governo Federal, o maior número de envolvidos do ecossistema.

Afinal de contas, de uma forma ou de outra, o turista deverá utilizar as avenidas, ruas, estradas, ou aeroportos para chegar até o seu estabelecimento. E quem cuida disso são os órgãos públicos, sejam eles prefeituras, Governos Estaduais ou Federal.

Voltemos ao exemplo do hotel: em algumas situações a utilização do seu hotel, será um meio e não o fim viagem do turista. Criando diálogos, pontes e unindo forças para fomentar e facilitar a vida do visitante / turista à sua região.

E para isso acontecer, não dá para continuar ignorando ou barrando os outros atores da sua região. Desta forma, o turista se sentirá bem-vindo de uma maneira ampla ao seu destino e a probabilidade de ele ficar mais tempo e utilizar mais serviços – em outras palavras, gastar mais é muito maior.

Pode ser que a utilização do seu hotel não tenha sido a razão principal de locomoção do turista, mas uma necessidade de estadia para pernoitar no local. Então, outras razões levaram o turista a se locomover até você e esta é a principal razão para você abrir diálogos, parcerias, acordos, facilitadores, o que tiver ao alcance de todos para facilitar e melhorar a experiencia do seu consumidor da forma mais ampla possível.

Quando todos os players da localidade interagem, conversam entre si, deixando rixas e picuinhas de lado, para facilitar e melhorar a experiência do turista, todos saem ganhando e esta forma de trabalho em conjunto em diferentes esferas.

Antes que venham falar que é utopia, que não existe, caros senhores, existe sim! E é utilizado em larga escala pelos principais pontos turísticos do mundo e o sucesso e sustentabilidade do jogo se mantém a longo prazo, pois acaba se tornando uma ação contínua e saudável para todos, turistas / consumidores, empresários dos mais diferentes setores, setor público pois mais consumo, mais impostos, conseguem investir e melhorar a infraestrutura local, mais trabalho, mais trabalho e geração de renda resulta e mais votos e por aí vai.

Logo, não percam tempo – pois sou do time que tempo é dinheiro, e já comecem a se articular para analisar quais são os principais players do ecossistema que vocês estão inseridos e se juntem para uma conversa de trabalho, sobre os próximos eventos, congressos, as ações que a prefeitura / Estado poderiam realizar para melhorar a infraestrutura local, treinamento e qualificação da mão de obra para os próximos eventos.

Aqui vão três dicas de como vocês podem criar Grupos de Trabalhos produtivos:

  • Definirem pautas e objetivos claros e realistas. E acompanharem os progressos de curto, médio e longo prazos.
  • Disponibilizar horas de mão de obra ou equipamento para atingir os objetivos.
  • Conversar com os turistas e comerciantes locais para ouvir ideias, opiniões, soluções e engajá-los no processo.

No Turismo, quanto maior o número de pessoas que estiverem lucrando com o ecossistema do mercado, literalmente todos saem lucrando. O ganha-ganha é o fator essencial para o mercado crescer. Neste mercado você não pode pensar unicamente no seu negócio ou você não conseguirá se sustentar por muito tempo, pois uma maior e melhor infraestrutura local, maior e melhor rede de comércio e serviços, maior será a demanda de turistas, abrindo novas oportunidades para diversificar e ampliar o seu hotel e o mercado em geral que você está envolvido.

Então, nunca é demais repetir: fiquem atentos neste ponto: é com a inclusão, e não na exclusão que vocês irão crescer! Inclusão de novos mercados consumidores, inclusão de novos e diversificados parceiros e players estratégicos.

Tudo muito bonito, mas como você caro empresário irá se destacar da multidão? Se preparando e especializando para atrair novos mercados consumidores sedentos por bom atendimento e infraestrutura, como o mercado de Consumidores de Pessoas com Deficiência e 60+, conforme eu já falei no artigo anterior. Quer saber mais como se diferenciar no mercado, entre em contato com a Integratur.

Texto: Gabrielle Jordano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + 7 =